Iluminação Xenon e LED, o que posso usar na minha moto?

Iluminação Xenon e LED, o que posso usar na minha moto?

8 de maio de 2019 1 Por Ilma Ferreira

Xenon? LED? Pode ou não pode?
Qual a diferença do LED pro Xenon?
Qual a temperatura das lâmpadas?
Como faço pra andar com outra lâmpada sem problemas?

Para entender as diferenças entre as lâmpadas é necessário entender sobre a temperatura das cores.

Xenon

A unidade da temperatura das lâmpadas é representada em Kelvin – K.

O branco mais puro é encontrado a 6000K, abaixo estão as lâmpadas mais amareladas, como as halógenas que funcionam de 2800K a 3500K.

A luz do xenon pode viarar entre 6000K (branco) a 12000K (roxo).

Iluminação de moto – Xenon

3000K – Amarelo brilhante

Essa temperatura costuma ser utilizada como farol de neblina e farol secundário.

5000K – Branco padrão

É um tom de branco mais amarelado no asfalto.
Costuma ser usado em carros com xenon de fábrica.

6000K – Ultra branco

É um branco mais puxado para o azul quando refletido no asfalto.

8000K – Azul céu

É uma luz mais azulada do que branca.

10000K – Ultra azul

É uma luz bem mais azulada, já puxando pra um violeta.

12000K – Roxo médio

É uma luz mais violeta.

Na imagem a seguir fica mais clara a questão e temperatura do Xenon:

Posso usar lâmpadas de Xenon na minha moto?

A resposta é Não!
O uso de lâmpadas de Xenon só é permitido em dois casos: quando o veículo já vem de fábrica com as lâmpadas em questão, ou para quem tirou a CSV (Certificado de Segurança Veicular) até 02 de junho de 2011, data em que entrou em vigor a Resolução n° 384 do Contran, que proíbe a substituição de faróis de outros tipos pelo Xenon. E não adianta reclamar: não há exceções e a lei é bem exigente. Mesmo que você faça uma solicitação ao DETRAN, não vai ter como legalizar o uso do Xenon em sua moto.

Mas se mesmo assim eu quiser colocar o xenon na minha moto, o que acontece comigo? Além de ganhar uma multa no valor de R$195,23 (Multa grave), leva 5 pontos na carteira e veículo retido para a remoção do xenon.

LED

Os LEDs brancos estão disponíveis em diferentes temperaturas de cor, à medida que utilizam mais ou menos fósforo em sua composição:

Na prática, denominamos a cor segundo nosso psicológico, ou seja, chamamos de Quente a cor mais amarelada, relacionando-a ao calor do Sol na zona tropical, e de Fria a cor mais azulada relacionando-a ao frio do gelo dos pólos da Terra. No entanto, fisicamente, quanto mais quente a temperatura da cor em Kelvin, mais azulada será essa cor e quanto mais fria, mais amarelada, conforme a tabela abaixo, que serve de referência para a escolha de lâmpadas e luminárias a LED:


Branco Quente: tipicamente de 2600 Kelvin a 3500 Kelvin
comparável à tonalidade da lâmpada de filamento incandescente tipo bulbo

Branco Neutro: tipicamente de 4000 Kelvin a 4500 Kelvin
comparável às lâmpadas halógenas e de vapor metálico das lojas de varejo

Branco “Luz do dia”: tipicamente de 5000 Kelvin a 5500 Kelvin
usada para melhor reprodução de cores, sendo tipicamente a temperatura de cor do “Sol do meio-dia” em muitas partes do mundo

Branco Frio: tipicamente acima de 6000 Kelvin
comparável às lâmpadas fluorescentes e de alta potência (lâmpadas de mercúrio ou vapor metálico) utilizadas em indústrias, comércios e tipicamente nos hospitais e drogarias.

Quanto mais baixo o número mais perto do vermelho é a cor. Quanto mais alto, mais roxo.

Por exemplo, Observando o aquecimento de uma peça de ferro colocada no fogo, esta peça comporta-se segundo a lei de Planck, e vai adquirindo diferentes colorações na medida que sua temperatura aumenta. Na temperatura ambiente tem uma cor escura, como geralmente vemos o ferro, mas sua cor se torna vermelha a 800 K, amarelada em 3.000 K e branca azulada em 5.000K, ou seja, a cor será cada vez mais clara à medida que a temperatura aumentar, até atingir o ponto de fusão.

Mas afinal, as de LED é permitido?

Sim, segundo a resolução 227 do Conselho Nacional de Trânsito (Contran), as lâmpadas halógenas originais dos automóveis podem ser substituídas pela tecnologia de LED. Porém apenas até 2021.

A partir dessa data, a Resolução CONTRAN n°667/2017 entrará em vigor pra valer e com ela, será proibida toda e qualquer substituição de lâmpadas dos sistemas de iluminação ou sinalização de veículos que não seja original do fabricante.

Portanto, lâmpadas de Xenon estão proibidas já em 2018 e as de LED estarão proibidas a partir de 2021.

Para instalar as lâmpadas de LED o proprietário do veículo deve seguir algumas determinações.

Vamos ao passo a passo:

É preciso pedir uma autorização no Detran de origem do veículo para que essa alteração seja feita.
Com a autorização em mãos, você vai instalar uma iluminação de qualidade em sua moto (lâmpada com selo do INMETRO).
Após instalado o novo sistema de iluminação, você terá que levar a moto para uma vistoria no INMETRO e em uma unidade de trânsito, que pode ser o DRV (Divisão de Registros de Veículos), o CRVA (Centro de Registros de Veículos Automotores) ou o Ciretran. Será cobrada uma taxa;

Com tudo aprovado, será então emitido o CSV (Certificado de Segurança Veicular). Com ele você vai dar entrada no Detran num novo documento para sua moto, onde irá constar essa modificação realizada em sua moto.
Nesse documento terá uma observação que informa a alteração no sistema de iluminação .

A partir dai, sempre que você se deparar com uma fiscalização você terá como comprovar que a alteração realizada foi autorizada pela Detran.

UFA, Pronto, você está apto a dirigir tranquilamente com lâmpadas LED em seu veículo.

Veja também: Fique por dentro das regras para uso de capacetes